Sobre o Relatório

Pela primeira vez, a Votorantim Metais apresenta seu desempenho com base nas orientações do International Integrated Reporting Council (IIRC) para Relatório Integrado. O documento é relativo ao período de 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2016 e segue também as diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI), adotadas pela empresa em seus dois relatórios anteriores (anos-base 2014 e 2015). Neste Relatório Anual, os conteúdos GRI são apresentados de acordo com as normas divulgadas em outubro de 2016, na opção essencial, e alguns de seus indicadores estão detalhados na versão online.

GRI 102-50GRI 102-50. Período coberto pelo relatório 102-51GRI 102-51. Data do relatório mais recente 102-52GRI 102-52. Ciclo de emissão do relatório 102-54GRI 102-54. Opção 'de acordo'
img5

Os dados financeiros e operacionais são apresentados em base consolidada e de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e as normas internacionais de relatório financeiro (International Financial Reporting Standards – IFRS). Os indicadores socioambientais foram levantados internamente, com base em normas brasileiras aplicadas a temas trabalhistas e ambientais e na metodologia Greenhouse Gas Protocol (GHG), no caso de gases de efeito estufa. O documento foi verificado pela auditoria independente PricewaterhouseCoopers (PwC).

GRI 102-56GRI 102-56. Política de verificação

Houve revisão da base de dados dos indicadores de desempenho publicados nos relatórios referentes aos anos de 2014 e 2015, com o objetivo de refletir a separação das operações da Votorantim Metais (zinco, cobre, chumbo e outros metais associados) e da CBA (alumínio e níquel), que ocorreu em 2016. (Mais informações estão no capítulo Estratégia.)

GRI 102-48GRI 102-48. Principais reformulações das informações

MATERIALIDADE E LIMITES

O conteúdo contempla os aspectos materiais apontados a partir da identificação de temas críticos para o setor de mineração e metalurgia. Realizado inicialmente em 2010, com base em visões de futuro estabelecidas por estudos setoriais – World Scenario Series – Mining and Metals 2030, do Fórum Econômico Mundial, e Plano Nacional de Mineração 2030, do Ministério de Minas e Energia (MME) –, e com revisão em 2014 e 2016.

No primeiro momento, contou também com pesquisas indiretas a três principais públicos externos (clientes, fornecedores e governos), com base nas interações frequentes mantidas pelas áreas comerciais, de suprimentos e de sustentabilidade. Na captura de percepções de públicos internos, foram realizadas reuniões e consultas formais com diretores e gerentes de negócios. Na ocasião, foram selecionados oito temas materiais: resíduos; eficiência hídrica; emissões de gases de efeito estufa; energia; segurança; desenvolvimento socioambiental; cultura para o diálogo, e produtos.

Com envolvimento da liderança da empresa, ocorreu em 2014 uma revisão desses temas, com a inclusão de direitos humanos e pessoas, a ampliação de indicadores de eficiência hídrica para água, o ajuste de desenvolvimento socioambiental para desenvolvimento local, a unificação de energia e emissões em apenas um tema, e a exclusão dos tópicos cultura para o diálogo e produtos.

Já em 2016, em decorrência da reorganização da companhia e da atualização de estratégia, a materialidade foi mais uma vez revisada, considerando ainda novos benchmarking com empresas do setor e de outros segmentos considerados referência em sustentabilidade, assim como a atualização de diretrizes do Sustainability Accounting Standards Board (SASB) e workshops com gerentes da companhia. Como resultado, dois tópicos foram agregados: saúde e descomissionamento, além de considerar como transversais os temas desempenho econômico e ética e integridade.

GRI 102-49GRI 102-49. Mudanças significativas de escopo e limites dos aspectos materiais
img7

Temas materiais

tabela-2
img8
tabela-3
Free WordPress Themes, Free Android Games